Simulados CTFL-BSTQB

Algo que ajuda muito, na preparação para certificações é a realização de simulados. E como disse aqui, montei um grupo de estudo na empresa que trabalho, para a certificação CTFL-BSTQB.

No começo dos estudos, todos me perguntavam se eu tinha algum simulado, e eu só tinha os do grupo do BSTQB, até o momento que entrei em contato com o Luiz Gustavo, que já obteve a certificação, e me passou uma porrada de simulados (aliás, muito obrigado!). Porém, eles estavam em inglês e como nem todos têm facilidade com o idioma e a prova aplicada pela BSTQB é em português, resolvi traduzir esses simulados.

Bem, chega de conversa, e vamos ao que interessa, os simulados. Segue abaixo, o link para download dos simulados traduzidos e dos originais em inglês:

http://bit.ly/simulados-ctfl

http://bit.ly/simulados-originais

São 6 simulados traduzidos, três com 20 questões e outros três com 40 questões, que é a quantidade de questões da prova oficial. Ou seja, no total são 180  questões.

Já os simulados originais (em inglês) têm 27 questões a mais, por ter algumas repetidas e outras um pouco “estranhas”, que preferi não traduzir.

Caso alguém encontre algum erro nos simulados, por favor reporte para meu e-mail (ffc.fabricio@gmail.com.br). E se tiverem alguma dúvida, sugestão ou crítica, sintam-se à vontade em comentar.

Espero que os simulados ajudem nos estudos e na futura obtenção da certificação.

Bons estudos a todos!

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.

Assine o feed

Anúncios

QAMP (Quality Assurance Management Professional)

A QAMP (Quality Assurance Management Professional) é uma nova certificação de Teste e Qualidade de Software, criada em 2008 pelo iSQI.

O seu foco está em aperfeiçoar os profissionais da área, de acordo com as necessidades do mercado de TI. Sendo direcionada para os gestores de qualidade, pois eles necessitam ter competência em todo o processo de desenvolvimento.

Para a sua obtenção o candidato precisa completar 4 passos:

  1. O primeiro é obter CPRE (Certified Professional for Requirements Engineering) Foundation Level, oferecida pela IREB;
  2. O próximo passo é obter a CTFL, oferecida pelo ISTQB, e aqui no Brasil pela BSTQB;
  3. O terceiro passo é obter uma certificação específica na área de Testes de Software, podendo ser uma das seguintes: iSAQB® Certified Professional for Software Architecture; iSTQB® Certified Tester Advanced Level – Test Manager; iNTCCM® International Certified Configuration Manager; iSQI® Certified Professional for Project Manager; iSQI® Certified Professional for IT Security Management.
  4. E o último passo é comprovar pelo menos 2 anos de experiência na área.

Quatro passos para se tornar um QAMP

Segundo Stephan Goericke, diretor do iSQI e idealizador da QAMP, “A QAMP irá prover uma certificação modular que cobrirá os gaps existentes entre o analista de negócio e os executores de teste. Além disso, a  experiência em projetos é também reconhecida e de avaliação independente”.

Os profissionais certificados QAMP demonstram conhecimento na coleta de requisitos, teste de software e gerenciamento do teste. E este conhecimento está adequado com os padrões adotados por várias instituições de certificação, como por exemplo: a International Software Testing Qualifications Board (ISTQB), que hoje possuem mais de 100 mil profissionais certificados.

A QAMP não está disponível no Brasil, até porque os exames avançados de Teste de Software, como o CTAL (Certified Tester Advanced Level) da ISTQB, não são aplicados no Brasil. Portanto, se alguém tiver interesse em tirar tais certificações, só indo para fora do país mesmo.

Quem quiser saber mais sobre a QAMP, confire a apresentação abaixo, ou acesse o site oficial da QAMP.

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.

Assine o feed

Fonte:

News. Industry Leaders Announce New Software Quality Testing Certification. Testing Experience – The Magazine for Professional Testers, Alemanha, Ano1, nº4, p. 7, dezembro, 2008

http://www.qamp.org

Interface Homem-Máquina: Melhores Práticas de Usabilidade

Finalmente, entreguei o TCC com as correções finais!

Na verdade já faz um tempinho (quase um mês), e estava quase me esquecendo de disponibilizar para vocês caros leitores do QualidadeBR. O link para download, segue abaixo:

http://bit.ly/tcc-usabilidade

No começo da monografia, trocamos várias vezes de tema, para ter uma idéia, a nossa primeira escolha foi Sistemas em Tempo Real, depois cogitamos mudar para Interfaces (que iria envolver até realidade aumentada) e “decidimos” por fim fazer sobre Virtualização.

Após já está pesquisando sobre Virtualização, a minha dupla, o Jayson, me perguntou mais ou menos assim:

– Fabrício, o que você acha de fazer sobre usabilidade?

– hmmm…usabilidade, será que isso rende uma monografia? Acho que o assunto é meio limitado…

A partir daí, buscamos obter mais informações sobre usabilidade, perguntando para vários professores nossos, e até com outros de fora, como o Samuka Ribeiro, que dá aula sobre Interface Homem-Máquina, e que ajudou com um rico material sobre o assunto.

Acabamos percebendo que usabilidade podia sim, render uma boa monografia. E a partir daí, pude perceber que, a usabilidade não se resume a ser apenas uma característica de Qualidade de Software, e que há vários estudos e aspectos que devem ser levados em conta, durante o desenvolvimento de software.

Para mim, um dos maiores estímulos para escolher esse tema, foi o fato de muitas pessoas, boa parte formada de desenvolvedores e profissionais de TI, acharem que a interface de um software é um mero detalhe, aliás eu até falei sobre a importância da usabilidade nesse post.

Eu até entendo, que para nós profissionais de TI, a interface é algo que não tem tanta importância, afinal de contas, estamos acostumados a usar até prompts de comando e terminais. Mas pense bem, a maioria dos usuários de computadores não é formada por profissionais de TI. E fique sabendo, que até na época em que a interface de texto era predominante, já haviam pessoas preocupadas com a usabilidade dos sistemas.

Mais uma revelação, se prepare, essa pode até te surpreender. Por que você acha que os usuários ligam tanto para o suporte da sua empresa, muitas vezes com dúvidas que nem são sobre o seu sistema?

  1. Porque eles são usuários
  2. Porque eles são pessoas carentes e gostam de ouvir uma voz amiga
  3. Porque o sistema, realmente não está funcionando
  4. Porque eles estão perdidos e nem saber como interagir com o seu sistema
  5. Pode ser qualquer resposta citada acima

E a resposta correta é a 5 (hehe), pois depende da circunstância. Mas a alternativa 4 é uma que acontece bastante, devido a falta de usabilidade, que necessita ser uma das características de Qualidade de Software prioritárias. Principalmente se o sistema a ser desenvolvido tiver como público alvo, os usuários comuns. Afinal de contas, até nós profissionais de TI, às vezes, nos deparamos com uma interface ruim e ficamos perdidos.

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.
Assine o feed

P.S.: Quem se interessar pelo assunto, e for dá uma olhada na monografia, fique  à vontade para comentar sobre ela.

Qual a melhor metodologia?

Essa é uma questão polêmica, e vejo muitos profissionais tentando responder e justificar a sua resposta. E a cada vez, que eu leio algo sobre o assunto, fico com uma outra dúvida: Será que existe a melhor metodologia para o desenvolvimento de software?

Mas antes de abordar as metodologias de software, vamos definir o que é metodologia.

De acordo com a Wikipédia, “Metodologia é o estudo dos métodos”. Hmmm, não ajudou muito, neh…

Vamos agora ver o que o Michaelis tem a dizer sobre metodologia:

1 Estudo científico dos métodos. 2 Arte de guiar o espírito na investigação da verdade. 3 Filos Parte da Lógica que se ocupa dos métodos do raciocínio, em oposição à Lógica Formal. M. didática: teoria dos procedimentos de ensino, geral ou particular para cada disciplina; didática teórica.

Essa segunda definição é bem profunda, e ajudaria bastante os marqueteiros, imagina só um falando: “A metodologia da nossa empresa, representa a arte de guiar o espírito ao cumprimento dos requisitos.”

Juntando as definições que foram apresentadas, podemos dizer que metodologia é um conjunto de procedimentos que são realizados visando um objetivo maior.

Vamos agora, ir para o mundo do desenvolvimento de software, no qual há várias metodologias que podem ser seguidas. Podemos dividir as principais metodologias em três categorias:

  • Cascata: Cascata Clássica, Cascata Modificada e Modelo V;
  • Iterativa: Modelo Espiral e RUP;
  • Ágil: Extreme Programming (XP) e Scrum.

Cada uma dessas metodologias, como tudo na vida, tem suas vantagens e desvantagens, abaixo apresento uma comparação das metodologias, de acordo com alguns cenários:

comparacao_metodologias

Como pode ser visto na figura acima, de acordo com os cenários apresentados, a melhor metodologia seria o RUP. A razão para esse fato, é que a figura foi retirada do material para a certificação IBM Certified Specialist – Software Quality, e o RUP é um processo proprietário criado pela Rational Software Corporation, adquirida pela IBM. Logo a IBM apresenta o RUP como melhor metodologia, o que pode até ser verdade, dependendo do projeto de software.

Agora você pode está se perguntando: “Como assim, pode até ser verdade, ou uma metodologia é a melhor ou não é!”.

Aí está justamente o erro: tentar definir a melhor metodologia. Buscar a melhor metodologia para a sua empresa é algo louvável, afinal, boa parte das empresas de TI, ainda usam a metodologia VAMO QUE VAMO, ou pior ainda, a EMPURRANDO COM A BARRIGA. Mas selecionar a melhor e colocá-la goela abaixo na sua empresa, com certeza não é o melhor caminho, e ao invés de achar uma solução, você vai achar mais problemas.

Para tentar explicar melhor o meu ponto de vista, vou fazer uma analogia com os eletrodomésticos e eletrônicos da sua casa. Você como um consumidor atento e sempre buscando a qualidade, alinhada ao custo-benefício, tem eletrodomésticos e eletrônicos das diversas marcas: LG, Sony, Arno, Brastemp, Consul, Bosch, Philips, etc. Cada um dos eletrodomésticos e eletrônicos atende uma necessidade da sua família, e para cada um há um melhor fabricante, portanto, você não vai comprar tudo de uma única marca, até porque uma única marca não fabrica todos os tipos de eletrodomésticos e eletrônicos.

Ao escolher uma metodologia você também tem diversas necessidades e várias metodologias que buscam saciar a sua necessidade. Você até pode encontrar tudo o que você precisa em uma única metodologia, mas dificilmente você vai seguir todos os seus conceitos e métodos. O melhor a ser fazer é tentar encontrar um meio-termo, ver o  que há de melhor em cada metodologia e o que se adapta a sua realidade. E quando a sua realidade mudar, mude também a sua metodologia, devemos sempre lembrar que a mudança não é ruim, e sim uma grande oportunidade.

E lembre-se que se uma metodologia funcionou bem em um projeto, era poderá não funcionar tão bem em outro projeto, e vice-versa.

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.
Assine o feed

Fonte:

Engineering Quality in Software Development, Module 1: Overview of Software Development Practices (AzIT)

Certificação: IBM Certified Specialist – Software Quality

Pessoal,

Ontem eu recebi um e-mail, digamos que um pouco suspeito, sobre uma certificação na área de Qualidade de Software. Você pode está se perguntando, por que um e-mail sobre uma certificação pode ser suspeito?

O que eu achei suspeito foi o fato dela ser gratuita. Isso mesmo, sem nenhum custo, a não ser o tempo de estudo e o deslocamento para o centro de treinamento que irá aplicar o exame.

Trata-se da certificação IBM Certified Specialist – Software Quality, eu mesmo nunca tinha ouvido falar sobre tal, e o Fábio Martinho Campos, que é um especialista em certificações de qualidade e testes, me disse, no seu grupo de discussão dedicado as certificações de Qualidade e Teste de Software, que ele também não a conhecia. Portanto, pelo menos no Brasil, ela deve ter sido lançada agora.

Ela é uma certificação voltada para desenvolvedores, testadores e profissionais em Qualidade de Software que desejam melhorar seus conhecimentos em Qualidade de Software, e assim desenvolver um trabalho mais eficiente.

A prova é composta de 45 questões e o tempo de realização é de 1 hora e 15 minutos (segundo a ficha de confirmação da inscrição do exame, enviada pela Prometric), no site da IBM diz que o tempo da prova é de 60 minutos. A diferença de tempo deve ser por a prova ser em inglês, que não é a nossa linguagem nativa.

Para obter a certificação é preciso acerta 71% das questões, ou seja, 32 questões.

O estudo para a prova é feito com base em um material de uma instituição de e-Learning, a AzIT. O material também é obtido, de forma gratuita no site da AzIT, bastando fazer um simples cadastro (clicando no link Enroll).

O material disponibilizado no site está em formato de apresentação, você pode assistir pelo site ou baixar o arquivo do módulo que está sendo estudado. Eu reunir todo o material disponibilizado no site da AzIT, e estou compartilhando nos links abaixo, ele está separado por área de estudo, assim como está no site:

Engineering Quality in Software Development (78.27 MB)

Software Quality (56.7 MB)

Software Testing (76.96 MB)

Para fazer a inscrição do exame, basta acessar o site da Prometic, e seguir o passo a passo:

  1. Clicar no banner “START
  2. Clicar no link “Schedule an Appointment
  3. Selecionar no combo box Country a opção Brazil e clicar em <NEXT>
  4. No list box ‘Program’ selecione IBM (000,001) e clique em <NEXT>
  5. <NEXT>
  6. A prova é 000-370 e clique em <NEXT>
  7. Escolha o Test Sites mais próximo da sua casa.
  8. Login e confirm process

No site da IBM há um simulado do exame, que pode ser acessado no link abaixo:

http://www14.software.ibm.com/cgi-bin/pwdown/public/httpdl/certify/sam370.pdf

Bem, na minha opinião essa é uma excelente oportunidade para adquirir novos conhecimentos, e ainda poder tirar uma certificação de uma empresa reconhecida mundialmente, que é a IBM.

Eu já marquei o meu exame para o dia 31 de março, vou ver se consigo tirar a certificação. Mas pelo que vi nos objetivos da certificação e pelo material fornecido pela AzIT, a prova oferece um alto grau de dificuldade, principalmente por abordar tanto o Teste de Software, Qualidade de Software, como o Desenvolvimento de Software.

Portanto, acredito que será um grande desafio, e o mais importante será adquirir novos conhecimentos e poder colocá-los em prática.

Quem ficou interessado em fazer o exame, é melhor correr, pois a gratuidade do exame é somente por um tempo determinado, não sei até quando. Como pode ser conferido no texto abaixo, retirado do site da AzIT:

Information about the Test:
Cost of the exam: $0 (The test fee is waived for US Citizens during the grant period. If you are taking the test outside of the US Check with your local Authorized Prometric test center for testing fees.)

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.
Assine o feed

Saiba mais:

Página oficial da certificação

Fonte:

http://www-03.ibm.com/certify/tests/ovr370.shtml

http://br.groups.yahoo.com/group/certificacoesqualidadetestedesoftware/

Brateste 2009

Durante os dias 12 e 13 de março de 2009, São Paulo sediará o 2º Seminário Brasileiro de Teste de Software, o Brateste 2009.
O evento ocorrerá das 09 às 18 horas, no Renaissance São Paulo Hotel, localizado na Alameda Santos, 2233 São Paulo, Brasil, sendo organizado pela ALATS (Associação Latino-Americana de Teste de Software).

Ele é voltado para todos os profissionais envolvidos com as atividades de desenvolvimento e teste de sistemas, trazendo 14 palestras técnicas, sendo duas ministradas por Martin Pol, um dos ícones globais do setor, autor de diversos livros sobre o assunto e criador dos modelos TMap e do TPI, ambos usados como referência na Europa. O encontro também conta com palestras de personalidades renomadas da Bélgica, América Latina e do Brasil.

Além das novidades do setor, na ocasião haverá a apresentação de produtos e serviços, através de uma área de exposição e palestras técnicas, assim como ofertas da literatura sobre teste de software, num espaço reservado para livrarias especializadas.

A grade (provisória) de palestras do Brateste 2009, segue abaixo:

Grade de palestras do BRATESTE 2009

Nota: As Palestras em inglês terão tradução simultânea.

A inscrição para o evento pode ser feita no próprio site da ALATS. E quem for, realize logo o pagamento, pois depois do dia 06/02 o valor irá passar de R$350,00 para R$450,00.

Eu estarei presente lá, espero que o evento seja um sucesso, pelas palestras e palestrantes, tem tudo para ser muito bom.

Brateste 2009

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.
Assine o feed

Fonte:

ALATS