Ferramentas bug tracking

Ao encontrar um bug o Tester pode avisar o desenvolvedor, por várias maneiras, como por exemplo: pessoalmente, msn, e-mail, documentos, ferramentas de bug tracking, etc.

Podemos perceber, que dentre as alternativas apresentas, há meios formais e informais de relatar a existência de bugs. A melhor maneira dependerá da dinâmica da equipe Testes e do seu processo.

Eu particularmente já utilizei os 5 meios de relato de bug apresentados, e muitas vezes, até mais de um ao mesmo tempo. Atualmente, ao me deparar com algum resultado imprevisto, eu busco conversar com o desenvolvedor, para que juntos possamos buscar qual a real causa para aquele problema. Isso ocorre devido a complexidade do sistema, e para obter um melhor detalhamento do bug.

Ao coletar todas as informações necessárias sobre o bug, o passo seguinte é cadastrar na ferramenta bug tracking, chamada Eventum.

Para os marinheiros de primeira viagem, um software de bug tracking tem como objetivo principal, ajudar a equipe de Teste e a de Desenvolvimento a manterem um histórico dos bugs do sistema. Nela estarão todos os dados do bug encontrado, sendo de grande ajuda para ambas as equipes, pois facilita o gerenciamento dos bugs.

Há no mercado várias ferramentas de bug tracking, dentre as quais podemos destacar as seguintes:

  • Bugzilla – é a mais famosa e usada ferramenta de bug tracking open source. Baseada em Web, ela é mantida por voluntários, sendo utilizada por diversos projetos e empresas, dentre os principais: Mozilla, Gnome, Nasa, NBC e Wikipedia. (site oficial)
  • Eventum – criada e disponibilizada gratuitamente pela MySQL, ela se encontra atualmente na versão 2.1.1. Ela fornece uma interface amigável e flexível sistema de emissão de rastreamento que pode ser utilizado, tanto,  por um departamento de suporte técnico para monitorar solicitações de suporte ou por uma equipe do desenvolvimento de software, a fim de organizar tarefas e bugs. O Eventum é usado pela equipe de Suporte Técnico do MySQL Lab. (site oficial)
  • FogBugz – o FogBugz além de oferecer o controle de bugs, ele traz um sistema completo de gerência de projeto, a fim de auxiliar a comunicação nas equipes de software. Um de seus diferenciais é a inclusão de uma wiki,  onde se pode criar documentos e especificações técnicas e funcionais.  (site oficial)
  • Jira – é uma aplicação J2EE de acompanhamento e gestão dos problemas. Ela também tem a funcionalidade de gestão de projetos. O Jira pode ser baixado de graça, porém em versão Trial, que expira após 30 dias. (site oficial)
  • Mantis – é uma ferramenta de bug tracking livre. Ela foi escrita em PHP e trabalha com MySQL, MS SQL e PostgreSQL, sendo baseada em Web. O Mantis roda em Windows, Linux, Mac OS, OS/2, dentre outros. Ela está sobre os termos da licença GPL. (site oficial)
  • Trac – o Trac além de ser um sistema de gerenciamento de bugs, possui a funcionalidade de wiki para documentação. Sua interface é web, e também está sobre a licença GPL. Dentre os seus usuários está o Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. (site oficial)
  • Zephyr – uma aplicação com interface Web, feita em Flash, especifica para equipes de Testes. Dentre suas principais funcionalidades estão: criação de testes suites,  execução de testes, geração de relatórios e o gerenciamento de bugs. Sua licença é gratuita até 3 usuários.  (site oficial)

O Eventum é o software que utilizamos na empresa em que trabalho, após analisar vários outros softwares, chegamos a decisão de utilizar-lo por vários motivos, sendo o principal: o fato dele conseguir ser, ao mesmo tempo, simples e oferecer várias funcionalidades, que possibilitam um eficaz gerenciamento de bugs.

Em próximos artigos, trarei um tutorial que abordará, desde a instalação do Eventum até o reporte de bugs utilizando-o. Até mais!

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.
Assine o feed

Saiba mais

Quem ficou curioso em conhecer mais algumas ferramentas de bug tracking, segue abaixo, alguns links contendo comparações e informações mais detalhadas sobre tais softwares:

Comparações

http://www.issue-tracking-software.de/

http://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_issue_tracking_systems

http://www.pronus.eng.br/artigos_tutoriais/analises/ferramentasControleMudanca.php

Lista das melhores ferramentas Open Source para gestão e automação de testes.  (Cristiano Caetano)

http://www.linhadecodigo.com.br/Artigo.aspx?id=1392

Mind Map das ferramentas Open Source gratuitas (Cristiano Caetano)

http://www.mindomo.com/view?m=d1535d37f8b0aa6df765a1db90bfa317

Anúncios

A Importância da Usabilidade

Pessoal, estou realizando o meu TCC sobre Interface Homem-Máquina (IHC), cujo foco principal é a usabilidade. Um dos motivos de ter escolhido esse tema foi há falta de preocupação das empresas e dos profissionais de TI com a usabilidade.

Um exemplo dessa despreocupação ocorre na própria faculdade, cujos trabalhos que envolvem o desenvolvimento de sistemas, muitas vezes não são avaliados tendo em vista a usabilidade do sistema e o que importa mesmo é a lógica e a utilização de conceitos aprendidos em sala de aula. Logicamente, que esses quesitos são de suma importância, principalmente em uma faculdade, porém e a usabilidade? Ela não deveria ter uma importância, ou vamos continuar com o pensamento arcaico que usabilidade é “perfumaria”?

Introdução

Há duas definições principais para usabilidade:

É a extensão na qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançar objetivos específicos com efetividade, eficiência e satisfação em um contexto de uso específico. (ISO 9241-11)

Usabilidade está  relacionada ao  aprendizado,  eficiência, na  realização da  tarefa  de memorização,  minimização de erros  e  satisfação  subjetiva  do usuário. (Nielsen, J.)

A primeira definição é a mais formal feita pela International Organization for Standardization (ISO), já a segunda é feita pelo especialista em usabilidade Jakob Nielsen. Ambas tem o usuário como base, ou seja, a usabilidade está intrinsecamente ligada ao usuário, portanto todo esforço da usabilidade tem como objetivo tornar a aplicação mais usual e fazer com que o usuário tenha prazer na sua utilização.

A importância da usabilidade

Para explicar a importância da usabilidade, vamos usar o exemplo da evolução do celular: no início do milênio a maioria dos celulares, para não falar todos, tinham a navegação puramente textual e basicamente serviram para mandar mensagens, fazer/receber ligações, agenda e ainda continham alguns joguinhos. Você conseguia fazer uso dessas funcionalidades sem nenhuma dificuldade por meio dessa interface textual. Mas imagine hoje, se os novos celulares, ainda fizessem uso da interface por texto, seria impraticável fazer uso das dezenas de funcionalidades existentes nos celulares atuais, por isso a interface também teve que evoluir e hoje observamos um padrão, que basicamente é o de uso de ícones e menus.

O celular, assim como a internet, são as duas tecnologias que mais tem sofrido evoluções, quanto a usabilidade. E a razão para isso é simples, um grande número de pessoas fazem uso delas, portanto as interfaces tem que serem projetadas, tendo em mente que pessoas com diferentes graus de instruções terão que ser capazes de usar tais tecnologias.

Logo percebemos a importância da usabilidade, que é de fornecer uma interface o mais próxima do usuário e por meio dela que as barreiras entre o software e o usuário vão diminuindo.

Outro aspecto interessante, é que a usabilidade pode ser o fator decisivo pela adoção/compra de um produto. Um exemplo disso ocorreu na empresa que trabalho. Estávamos em busca de uma ferramenta de gerenciamento de testes, ficando entre dois softwares o Bugzilla e o JTester Manager (ferramenta desenvolvida pela própria empresa), o Bugzilla ganhava em número de funcionalidades, porém tinha um grande problema, a usabilidade: fluxo não era linear, continha muitos campos em uma mesma tela, etc. Enquanto o JTester Manager continha as funcionalidades essenciais e uma ótima usabilidade, devido principalmente a sua simplicidade. A decisão então foi fazer uso do JTester Manager, pois percebemos que a produtividade com o JTester Manager seria bem maior do que com o Bugzilla.

Conclusão

A usabilidade deve ser encarada com seriedade e ser focada no usuário, afinal será ele que fará o uso do software. E caso não começarmos a nos preocupar com a usabilidade, os usuários dos nossos sistema podem ter um acesso de fúria, assim como esse senhor teve no vídeo abaixo:

Aliás, quantas vezes você mesmo(a) já não se irritou por não ter conseguido realizar alguma tarefa, devido a falta de usabilidade do software?

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.

Fonte:

Nielsen, J. (1993), Usability Engineering. Academic Press, Inc., San Diego.