Teste Estrutural (White Box) X Teste Funcional (Black Box)

Os testes de software são divididos em dois tipos:

Teste Estrutural: garantem que os softwares e os programas sejam estruturalmente sólidos e que funcionem no contexto técnico onde serão instalados [1]. Também conhecido como testes de White Box (Caixa Branca).

Teste Funcional: garantem o atendimento aos requisitos, ou seja, que os requisitos estão corretamente codificados [1]. Também conhecido como testes de Black Box (Caixa Preta).

Cada tipo de teste traz consigo diversas técnicas, sendo ela o processo que assegura o funcionamento adequado de alguns aspectos do sistema ou da unidade. Abaixo cito algumas destas técnicas, de acordo com o tipo de teste:

  • Técnicas de Teste Estrutural
    • Testes de carga;
    • Testes de conformidade;
    • Testes de desempenho (performance);
    • Testes de estresse;
    • Testes de execução;
    • Testes de operação;
    • Testes de recuperação (contingência);
    • Testes de segurança;
    • Testes de sobrevivência.
  • Técnicas de Teste Funcional
    • Teste de controle;
    • Teste de interconexão;
    • Testes paralelos;
    • Testes de requisitos;
    • Testes de regressão;
    • Testes de suporte manual;
    • Testes de tratamento de erros.

As técnicas de Testes Estruturais buscam garantir que o produto seja estruturalmente sólido e que funcione corretamente, o foco dos testes é averiguar o comportamento do sistema em determinadas situações. Já as técnicas de Testes Funcionais objetivam garantir que os requisitos e as especificações do sistema tenham sido atendidos, o foco dos testes é justamente a comparação do que foi planejado com o que foi produzido.

Em próximos artigos estarei detalhando cada uma das técnicas de testes, citadas aqui. Até lá!

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.

Fonte:

[1] Bastos, A.; Rios, E.; Cristalli, R. & Moreira, T. Base de conhecimento em teste de software. São Paulo, Martins Fontes, 2007.