Quais ferramentas podem apoiar o Teste de Software?

A 24ª edição da Mesa Redonda DFTestes teve como tema “Quais ferramentas podem apoiar o Teste de Software?”. A discussão teve 14 respostas e 10 participantes, sendo eles: eu, Regiane Ribeiro, Rafael Silva, Rodrigo Almeida, Felipe Silva, Shmuel Gershon, Sarah Pimentel, Elias Nogueira, Ueslei Aquino e Humberto Barboza.

Abaixo faço um “resumo” da discussão, quem participa do grupo DFTestes pode acessar a discussão na íntegra, neste link.

Quais ferramentas podem apoiar o Teste de Software?

O Shmuel Gershon fez um comentário bem interessante:

A ferramenta mais útil em meu trabalho como testador é o quadro-branco (é, aquela lousa na parede mesmo, link).
Ferramentas são essenciais:
A menos que o testador tenha algum super poder de manipulação de bits e transistores com a forca da mente, ele vai precisar de um teclado, um mouse, um sistema operacional. Não dá pra testar sem ferramentas.
A pergunta é “quanto vamos deixar a ferramenta guiar o processo?”
E aí entram todas as ferramentas — as de geração de dados, as de controle de versão, as de gestão de testes — quanto nos deixamos a ferramenta decidir por nos?
Minha opinião é que se em algum momento você toma alguma ação por que é assim que a ferramenta faz, a ferramenta já está passando do seu limite. Ela trabalha pra você, não o inverso.

Segundo a Sarah Pimentel:

Qualquer uma que torne sua vida mais fácil, lembrando o que o Shmuel falou: A ferramenta trabalha pra você e não o inverso.

Eu concordo plenamente com o Luke Skywalker, que dizer Shmuel!🙂

E acho que o ponto que ele  colocou, mostra bem um dos motivos pelos quais muitos profissionais ainda usam planilhas. Afinal, a planilha é totalmente customizada para a sua necessidade, você não tem que ficar preenchendo campos com blá-blá.

Quando optar pelo uso de uma ferramenta, ao invés, de um processo manual?

De acordo com a Sarah Pimentel:

– Quando o processo manual for difícil de manter/executar;
– Quando houver planejamento (tempo para aprender a ferramenta, tempo para verificar necessidades de adaptações na ferramenta e realizá-las…);
– Quando o processo de teste estiver maduro (mas ele pode amadurecer usando ferramentas também).

Para o Elias Nogueira precisamos ter o controle sobre o processo antes de buscar ferramentas:

Quando você já tem todo o controle sobre o processo e onde a aplicação dessa ferramenta não traga riscos ou grandes adaptações ao processo de teste

O Ueslei disse que:

Sabemos que em cada uma das fases do ciclo de vida, diversas são as atividades e técnicas a serem realizadas afim de gerar os produtos de cada uma das fases e, com toda certeza cada uma delas podem ser facilitadas com o uso de ferramentas. Mas, um fator que vejo de extrema importâncias é:

O profissional de teste precisa primeiro entender as técnicas de teste para então entender quais ferramentas devem ser usadas para cada técnica.

Como colocado pelo Elias Nogueira, eu reforço: O emprego de uma ferramenta errada na vez de ajudar se torna um grande risco para o projeto.

Então a melhor ferramenta é aquela que melhor atende ao processo de teste da organização e nem sempre, a ferramenta ideal para uma organização será ideal para outras. Com isso, um fator de importância é o estudo de viabilidades das ferramentas antes de sua aquisição e implantação de uma ferramenta na Organização. Esta prática pode eliminar o risco de, apenas no meio do projeto, descobrir que a ferramenta empregada não atende.

De acordo com o Humberto Barboza:

O uso de ferramentas sempre foi mesmo motivo de discussão na nossa área. Em relação a ferramentas de teste automatizado, alguns pontos devem ser questionados quando pensamos nisso. Por exemplo, uma ferramenta faz automaticamente tudo que fazemos manualmente, ou seja, ela não têm capacidade intelectual, então, o ganho de sua utilização está no tempo de execução. Porém, precisamos saber se fatores como: custo da ferramenta, prazo (Tempo de aprendizado), negócio do cliente, tipos de teste (Pra regressão é uma boa), serão adequados ao seu uso.

Em relação a outros tipos de ferramenta, considero algumas muito importantes no processo de teste. As de Gestão de Defeitos (Mantis, Trac), Gerência de Configuração (ClearCase, VSS) são bastante eficientes pois têm aprendizado e manutenção relativamente fáceis. E confesso que depois de algum tempo as utilizando ficamos dependentes das mesmas. Hoje mesmo, quero voltar a utilizar o Trac ou a HP Quality Center porque na empresa atual meu processo está todo manual com planilhas excel.

Adotamos o scrum e gostaria bastante de utilizar estas ferramentas, mas, hoje tenho um problema em que a equipe de desenvolvimento prefere o quadro afirmando que a visualização das tarefas e defeitos através dele são fundamentais para o sucesso da metodologia. Então, penso em como não ter retrabalho neste cenário, visto que neste caso teremos que incluir na ferramenta e também no quadro.

Quando o desenvolvimento de uma ferramenta internamente pode ser a melhor escolha?

A Sarah Pimentel respondeu dizendo:

Essa é uma análise que deve levar em conta:
.. atendimento às necessidades;
.. custo;
.. usabilidade;
.. tempo.

Segundo o Elias Nogueira:

Quase que jamais!!!!
Atualmente existem diversas, mas diversas ferramentas para a apoiar o processo de teste.
Já vi muitos casos que as empresas criam ferramentas de bug tracker, que é o mais comum, mas a alocação de um profissional e o tempo que a ferramenta leva para ser desenvolvida não justifica o custo de até comprar e customizar uma ferramenta…
Mas, quem sou eu pra dizer que a empresa X está errada em desenvolver uma ferramenta para o apoio aos testes.

Na verdade, creio que o único momento que podemos nos ‘dar ao luxo’ de desenvolver uma ferramenta internamente é referente a automação nos níveis unitários, de integração e de sistema. Já peguei projetos onde eu não conseguia nenhuma ferramenta e tive que criar uma arquitetura automatizada para testar um sistema de mensageira.

Só uma aviso aos novatos: muito se fala em utilizar e implantar o Mantis e Testlink para dar “velocidade” ao processo e ter um ponto centralizado. Mas iniciem conhecendo os conceitos dessas ferramentas (gestão de defeitos e gestão de testes), faça manualmente e depois implemente, se necessário, uma ferramenta.

A ferramenta que deve se adequar ao nosso processo, e não o contrário!

O Humberto respondeu a pergunta dizendo:

Penso que somente quando o negócio é muito específico e a adaptação à ferramenta inviável. Mas, quase sempre nesses casos vale mais a pena continuar com o processo manual.

Sobre o que o Elias disse, eu acho que é de se considerar a possibilidade. Principalmente, em se tratando de sistemas não web. (mas esse já é um tema de outra mesa redonda)

Bem pessoal é isso. Continuem de olho na lista do DFTestes, pois sempre há assuntos bem interessantes lá, e poderão haver novas respostas nessa mesa redonda.

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.

6 comentários sobre “Quais ferramentas podem apoiar o Teste de Software?

  1. Acredito que todas as ferramentas são bastantes úteis desque que o analista de teste tenha noção das técnicas de teste á serem desenvolvidas e principalmente onde e quando utilizar as mesmas.

    abs.

    Responder
  2. Srs,

    Alguem tem idéia de como as Fábricas de Testes cobram para efetuar testes em um software.

    Ponto de função ?
    Quantidade de funcionalidades ?
    Homem mês ?
    Por hora ?

    Outra pergunta :

    Observei em algumas colunas que muita gente ou talvez Empresas, não valorizam essa atividade e a minha pergunta é a seguinte : As Empresas estariam dispostas a pagar para ter esse serviço ? Eu sei de Empresas grandes que atuaram como Fábrica de Testes e não tiveram êxito !

    Qual é a opinião dos Srs,

    Abraço a todos

    Responder
    • Olá Jefferson!

      Em relação a primeira pergunta, acredito que varia muito fábrica para fábrica de teste. Ambas as métricas citadas podem ser usadas, e até já vi casos de fábricas cobrando por caso de teste. Na minha opinião, o melhor é fazer uma análise utilizando todas as métricas disponível, afinal há muitos fatores que podem influenciar o custo dos testes.

      Já a respeito da segunda pergunta, eu conheço algumas empresas que são focadas em prestar serviços na área de Teste de Software, e conseguiram/conseguem bons resultados.

      Infelizmente, ainda há muitas pessoas que não valorizam as atividades de teste, mas isso vem mudando, principalmente nos últimos anos acredito eu. Esse é um problema cultural bem sério.

      Aos poucos o mercado de desenvolvimento de software vem amadurecendo, e a qualidade vem sendo cada vez mais cobrada. E quando a cobrança por qualidade passa a ser externa, as pessoas/empresas começam a perceber o quanto é importante o Teste de Software.

      Bem essa é minha opinião.

      Abraços!

  3. Olá, começei a trabalhar com teste a pouco tempo e a empresa quer evoluir nos testes. Pesquisei sobre automatização e quero testar a selenium rc + junit, mas o contéudo que encontrei é muito vago, gostaria de algo mais detalhado, alguém pode me indicar?

    Obrigada!

    Parabéns pelo trabalho, muito bom!

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s