Construindo um ambiente virtual (parte2)

Na primeira parte deste tutorial instalamos o VMware Server (VMS), agora iremos para a parte mais divertida, a criação da VM.

O que aconteceu com o logon do Windows?

Para quem usa a troca rápida de usuário, uma das primeiras mudanças que pode ser notada é justamente a maneira do logon do Windows, com a instalação do VMS a opção de troca rápida de usuário fica desativada, portanto o logon vai ser com a tela de boas-vindas.

Acessando a interface Web

Para acessar o VMS, você pode clicar no atalho criado na instalação ou digitar o endereço no seu browser (http://127.0.0.1:8308/ui/). Caso não apareça a dela de login verifique se os serviços do VMS foram iniciados:

  1. Acesse o Executar (tecla “Windows” + R);
  2. Digite “services.msc” (sem as aspas) no Executar;
  3. Inicie os serviços do VMS (figura abaixo), é recomendável deixar automático a inicialização de tais serviços.

No login utilize os mesmos dados do login do Windows.

Passo 1 – Nome e local da VM

No menu a direita (Commands) clique em ” Create Virtual Machine”, a tela abaixo aparecerá, na qual será feita a escolha do nome e do datastore da VM, que nada mais é do que o local onde os arquivos da sua VM ficarão. Escolha o datastore “standard”, que foi criado já na instalação da VMS e clique em “Next”.

OBS.: Caso você deseje renomear um datastore ou criar um novo, basta selecionar o datastore no menu Datastores e depois no menu Commands haverá as opções de configuração do datastore.

Passo 2 – Sistema Operacional

O próximo passo é a especificação de qual sistema operacional será instalado na VM, no nosso caso escolha a opção “Linux operating system” e no combo box da “Version” selecione Ubuntu Linux (32-bit), que será o sistema operacional que iremos instalar.

Passo 3 – Memória e Processador

Após clicar em “Next”, a tela abaixo será apresentada, onde é feita a configuração da quantidade de memória e de processadores que a VM utilizará. Configure de acordo com a capacidade da sua máquina, busque sempre configurar de acordo com a sua necessidade, lembrando que no meu caso eu estou dividindo metade da minha RAM entre a VM e o Host.

Passo 4 – Capacidade de Armazenamento

Agora vamos configurar o tanto de HD que a nossa VM terá. Podemos criar um disco virtual, usar um disco virtual já existente ou não adicionar um disco virtual. Vamos escolher a opção “Create a New Virtual Disk”, para criar um disco virtual, depois clique no botão “Next”.

Na configuração do disco virtual definimos a capacidade dele e o seu diretório. Também há outras opções que não iremos modificar:

  • File Options – especifica como será a alocação do disco, onde podemos alocar o espaço todo de uma vez ou dividir em arquivos de 2GB;
  • Disk Mode – se as mudanças são salvas permanentemente, como um disco rígido normal, caso marcado a opção “Persistent” ou se ele altera de acordo com as Snapshots descartando as mudanças a cada reinicio ou desligamento caso marcado a opção “Nonpersistent”;
  • Virtual Device Node – qual o tipo do disco (IDE/SCSI) e qual device;
  • Policies – oferece a opção de otimizar o disco em busca de segurança ou desempenho.

Passo 4 – Adaptador de Rede

Uma das etapas mais importantes é a configuração da rede virtual. Aqui selecionamos “Add a Network Adapter” para que a nossa VM possa se conectar à rede.

O VMS oferece três maneiras de conexão com à rede:

  • Bridged: conecta a VM à rede usando a rede do Host. Esta é a opção mais fácil se o computador Host estiver em uma rede. A VM receberá um IP próprio e será visível para todos os computadores da rede.

  • HostOnly: cria uma conexão direta com o Host, como tivesse um cabo cross-over conectando a VM com o Host. É uma boa opção se o interesse é isolar a rede virtual.

  • NAT: conecta a VM à rede usando o IP do Host. É um modo fácil para acessar a Internet, porém não dá acesso à rede externa. Não sendo uma opção para um servidor, já que os computadores da rede não têm acesso a VM.

Para a nossa VM escolhemos o modo de conexão Bridged e marcamos o check box para que ela se conecte à rede ao ligar.

Passo 5 – Drive de CD/DVD

Escolhemos a opção “Use a Physical Drive”, para que possamos utilizar o drive de CD/DVD do Host e clicamos em “Next”. A opção “Use an ISO Image” é interessante, caso queria instalar o Sistema Operacional através de uma ISO.

Aqui escolhemos a unidade que está o drive de CD/DVD e marcamos o check box para que ele possa está acessível ao ligar a VM. Aqui também podemos configurar o tipo de adaptador e o device.

Passo 6 – Drive de Disquete

Caso você tenha um drive de disquete, marque a opção “Use a Physicak Drive”, caso contrário a “Don’t Add a Floppy Drive” e clique em “Next”.

Aqui selecionamos a unidade em que está o drive de disquete e marcamos a opção de ativá-lo ao ligar.

Passo 7 – Controlador USB

Selecionamos a opção “Add a USB Controller”, para que a nossa VM tenha acesso a dispositivos USB e clicarmos em “Next”.

Agora a nossa VM já está configurada, verificamos as configurações e clicamos em “Finish”.

Pronto! Já temos uma máquina virtual, porém ela está sem sistema operacional. Mas a instalação do Ubuntu será apresentada só na próxima parte do tutorial. Até lá!

Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.

Fonte:

VMware Server Users Guide, obtido no site da VMware

Anúncios

4 comentários sobre “Construindo um ambiente virtual (parte2)

  1. Fabricio,

    Eu segui os procedimentos que vc ensina no tutorial, mas quando chega na configuração do Cd-Rom, a opção “Use a Physical Drive” aparece desabilitada para mim.
    Caso eu tente a segunda opção: Use an ISO image, não consigo navegar até a pasta onde a imagem está armazenada.

    O meu problema está no host ou na máquina Virtual. Pode me ajudar?

    Obrigado

    Responder
  2. Olá William!

    Estranho a opção “Use a Physical Drive” estar desabilitada, acredito que isso possa acontecer quando o seu PC não tem drive de CD-Rom/DVD-Rom.

    Em relação a opção de usar uma imagem ISO, que eu me lembre você precisa escolher ela e clica em NEXT, daí então aparecerá uma tela para você passar o caminho, onde se encontra a ISO.

    Caso, o seu PC tenha CD-Rom/DVD-Rom, pode ser algum problema no host, ou algo que ocorreu na instação do VMware Server. Na máquina virtual não é, porque ela nem foi criada ainda.

    Você está usando Windows ou Linux?

    Responder
    • Desculpa pela demora William.

      Para adicionar a ISO, você precisa antes criar um datastore, apontando para o diretório no qual está a imagem ISO. Aí você escolhe a opção de usar a ISO, e seleciona esse datastore, que foi criada, nele aparecerá o seu diretório, e daí basta seleciona a sua ISO.

      Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s